Bahia Sindilojas quer garantias de sustentabilidade para reabertura do comércio

29 de junho de 2020, às 17:42

Nesta terça-feira (30), governo do estado e prefeitura devem apresentar as regras e fases da retomada da economia, paralisada com o início da pandemia de Covid-19. A expectativa no setor produtivo é de que a proposta garanta as condições sanitárias e de desenvolvimento da atividade econômica, frisa o presidente do Sindilojas, Paulo Motta.

“O mais importante é que tenha sustentabilidade, não seja necessário voltar (ao fechamento) como estamos vendo em outros estados e capitais”, afirmou Paulo Motta, ao bahia.ba. O dirigente ressaltou que os cerca de 100 dias parados representaram perdas de quase 100% para as lojas, pois alternativas como delivery e drive-thru tiveram representação pequena no faturamento.

Os protocolos a serem apresentados na terça-feira estão sendo alinhados pelo governador Rui Costa e pelo prefeito ACM Neto. Paulo Motta avalia que neste processo de retomada o poder público deve garantir as condições sanitárias para que não haja retrocesso, e as lojas precisam se responsabilizar por manter um ambiente interno que passe segurança aos comerciários e consumidores. “É um conjunto que deve estar muito bem ajustado”.

Pensamento semelhante ocorre no setor de barbearia e salão de beleza.”A nossa expectativa é que possamos voltar aos poucos nossa atividade comercial, e que os estabelecimentos cumpram todas as normas estabelecidas”, resume Natália Marques, sócia do Salão Bella Monne

Shoppings

Coordenador regional da Associação Brasileira de Shoppings Centers (Abrasce), Edson Piaggio disse ao bahia.ba ter a expectativa de que a reabertura dos centros de compras seja anunciada nesta terça-feira. “Os shoppings estão preparados, protocolos prontos, elaborados junto com especialistas na área sanitária e referendados com a assessoria do hospital Sírio-Libanês (em São Paulo)”, afirmou, em referência ao documento formulado pela entidade nacional.

Localmente, acrescentou Piaggio, a proposta já foi apresentada e discutida com a prefeitura de Salvador. Entre as regras previstas estão funcionamento das 12hs às 20hs, estratégia para não sobrecarregar o transporte público e limite de pessoas nas áreas comuns e em cada loja, considerando tanto consumidorcomo funcionários.

O coordenador contou que sete estabelecimentos já estão autorizados a reabrir as portas na Bahia – três em Feira de Santana, dois em Vitória da Conquista, um em Teixeira de Freitas e um em Santo Antônio de Jesus. Segundo Piaggio, o tempo sem funcionar desde 21 de março representou uma perda de faturamento do segmento de R$ 2 bi – cerca de R$ 600 milhões mensais -, já consideradas as quedas de venda no Dia das Mães, Dia dos Namorados e São João.

Comentarios