Política PDT ainda não decidiu apoio para 2022, diz Félix

20 de abril de 2021, às 16:34

Apesar da aproximação cada vez maior com o Democratas, o presidente do PDT na Bahia e deputado federal Félix Mendonça Júnior disse que o partido ainda não tomou nenhuma decisão sobre as eleições de 2022. Ele frisou, no entanto, que a sigla vai conversar com as principais lideranças políticas do estado, a exemplo do governador Rui Costa (PT), dos senadores Otto Alencar (PSD) e Jaques Wagner (PT), do vice-governador João Leão (PP) e do ex-prefeito de Salvador ACM Neto.

“O momento é de conversar e ouvir, e não de decidir. Só vamos ter uma posição concreta mais adiante, a partir da avaliação do que for melhor para o PDT e para a Bahia. Podemos, inclusive, ter um candidato próprio ao governo, o que seria o ideal. Mas o momento é de trabalhar para ajudar o governo do estado e as prefeituras no combate à pandemia, e é o que o PDT tem feito”, salientou em entrevista para a Rádio Sociedade News de Feira.

Félix afirmou ainda que o PDT pretende lançar candidatos a deputado estadual e federal em todas as regiões da Bahia. “Queremos chegar fortes para 2022 para ampliar nosso número de deputados federais e estaduais, e vamos nos estruturar para isso. Nosso partido já tem a marca da defesa da educação, do trabalho, da democracia e da liberdade. Nesse momento em que o Brasil precisa de um pouco mais de tudo isso, acreditamos que teremos a atenção e apoio da população”.

A declaração vem um dia após o bahia.ba ter mostrado a insatisfação do deputado estadual Roberto Carlos com a aproximação do partido com o DEM. Na avaliação do parlamentar, ‘o PDT estaria sendo induzido ao erro’ se decidir apoiar a candidatura de Neto ao Governo do Estado e ameaçou deixar o partido caso a aliança se concretize.

Em uma live na semana passada, o presidente nacional do PDT Carlos Lupi afirmou que vai manter a ‘parceria estratégica’ com ACM Neto, que emplacou Ana Paula Matos na vice de Bruno Reis (DEM), e que alguma indicação ‘deve estar na chapa majoritária, ou na vice ou no Senado’.

Comentarios