Política Bolsonaro é apontado como pior “cabo eleitoral” em Feira, se comparado com Lula ou Rui

15 de outubro de 2020, às 18:23

O governador Rui Costa (PT) aparece mais bem avaliado do que o ex-prefeito de Feira de Santana, José Ronaldo (Dem), no levantamento A Tarde/Potencia Pesquisa divulgado nesta quinta-feira, (15).

Dos 600 eleitores entrevistados, 52% afirmaram que provavelmente ou certamente irão votar em um candidato apoiado pelo governador. 38% dos ouvidos disseram que fariam o mesmo para um candidato chancelado pelo democrata e ex-prefeito da Cidade.

Questionado sobre o oposto, 14% disseram que com certeza não votaria em um candidato indicado por Rui; 12% disseram que provavelmente não votariam em um postulante apoiado pelo governador. 22% responderam que não votariam de forma nenhuma em um candidato apoiado por Zé Ronaldo; 14% avaliaram que provavelmente não votariam em um candidato com o apoio do ex-prefeito.

Apoio

A levantamento A Tarde/Potencial Pesquisa questionou aos eleitores sobre dois políticos nacionais com boa inserção no município, o presidente Jair Bolsonaro (Sem Partido) e o ex-presidente Lula (PT).

Em Feira de Santana, Lula tem um desempenho inferior se comparado ao quadro petista que conduz o estado, Rui Costa. Comparando o apoio e a rejeição a um eventual candidato apoiado pelo ex-presidente, 42% dos entrevistados afirmarem que certamente ou provavelmente votariam em alguém apoiado Lula; 24% disseram que com certeza não votariam em quem fosse apresentado como candidato do ex-presidente da República.

Um candidato apoiado pelo atual presidente da República seria o que teria a maior taxa de rejeição dos feirenses: 36% dos entrevistados afirmaram que não votariam de forma alguma em quem fosse apoiado pelo presidente da República. O percentual daqueles que apoiaram o candidato de Jair Bolsonaro foi de 13% do total ouvido.

Gestão

A pesquisa realizada entre os dias 8 e 13 de outubro por telefone mostrou que 17% dos eleitores avaliam o trabalho de Bolsonaro como “ótimo”. Por outro lado, aqueles que consideram o governo Bolsonaro ruim ou péssimo ficou em 38%.

O governador da Bahia foi avaliado positivamente – “ótimo” “bom” -, por 56% dos eleitores entrevistados; 29% classificaram o governo estadual como regular e apenas 13% como ruim ou péssimo.

Comentarios