Polícia

04 de maio de 2021, às 08:17

A investigação sobre as mortes de Bruno Barros da Silva, de 29 anos, e do sobrinho dele, Yan Barros da Silva, 19, está na lista de prioridades da Secretaria de Segurança Pública (SSP/BA), segundo informou a assessoria de comunicação do órgão. A Polícia Civil apura o envolvimento de seguranças do Atakadão Atakarejo de Amaralina nas mortes dos jovens que foram flagrados tentando furtar carne.

Nesta segunda-feira, 3, a Polícia Civil já tinha ouvido testemunhas que estavam no supermercado, amigos e familiares das vítimas. As investigações do duplo homicídio segue a cargo da 1ª Delegacia de Homicídios (DH/ Atlântico), sob o comando da delegada Andréa Ribeiro, diretoria do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

Além dos depoimentos, a polícia teve acesso às imagens das câmeras de segurança do estabelecimento, mas, atéa publicação desta reportagem, nenhum suspeito havia sido preso. O Ministério Público do Estado (MP-BA) também segue acompanhando o caso. O órgão encaminhou uma notícia de crime ao Núcleo do Júri da Capital.

O advogado da família Andrey Sudsilowsky afirmou que aguarda a conclusão do inquérito para decidir se vai entrar com alguma ação contra o Atakarejo.

Por meio de nota da assessoria de comunicação, o Atakarejo declarou que está contribuindo com as investigações sobre o crime. “O grupo Atakadão Atakarejo reitera o seu comprometimento com a observância dos direitos humanos e defesa da vida humana digna, não compactuando com a violência ou ação criminosa e que já entregou documentos e imagens do sistema de segurança aos órgãos competentes”.

Comentarios