SAMU: 192 | Bombeiros: 193 | Defesa Civil: 199 | Polícia Militar: 190 

  • Agência Nacional de Saúde 0800-611997
  • Alô-Trabalho 0800-2850101
  • ANEEL 0800-7272010
  • Ministério dos Transportes 0800-610300
  • Banco Central 0800-992345
  • Caixa Econômica Federal 0800-5740101
  • Central Antiveneno 0800-2844343
  • Central de Transplantes 0800-8832323
  • Central Doação de Órgaos (71) 3356-6776
  • Central Estadual de Regulação Médica 0800-714000
  • Coelba - Ligue Luz 0800-710800
  • Correios 0800-5700100
  • Disque-Meio Ambiente 0800-711400
  • Embasa Saneamento 0800-555195
  • Ministério da Educação 0800-616161
  • Fome Zero 0800-7072003
  • Hemoba (71) 3357-0900
  • Ibama 0800-618080
  • INSS 0800-780191
  • Ministério da Fazenda 0800-7021111
  • Pró-Menor 0800-713020
  • Receitafone 0300-780300
  • SAC 0800-715353
  • SOS-Tortura 0800-7075551
  • Serviço Salvador Atende 156
  • TeleHansen 0800-262001
  • Aeroporto Internacional de Salvador (71) 3204-1010 / 1030

Bahia R$ 51 milhões: STF retoma na próxima terça-feira julgamento dos irmãos Vieira Lima

02 de outubro de 2019, às 08:48

O julgamento do ex-ministro Geddel Vieira Lima, do irmãos dele, o ex-deputado federal Lúcio Vieira Lima e de mais dois réus no caso dos R$ 51 milhões encontrados em um apartamento de Salvador vai ser retomado na próxima terça-feira (8), após ser adiado pelo Supremo Tribunal Federal.

Em decorrência no horário, após o relator da ação penal, ministro Edson Fachin, votar pela condenação de dois dos acusados, os outros quatro ministros não conseguiram proferir os votos.

Desta forma, a sessão tem previsão de terminar na próxima semana, podendo levar à condenação por lavagem de dinheiro e organização criminosa, além dos dois irmãos, o ex-assessor parlamentar Job Ribeiro Brandão e o empresário sócio da Cosbat, Luiz Fernando Machado da Costa Filho.

Fachin considerou que o Ministério Público Federal conseguiu provar que o dinheiro pertence a Lúcio e Geddel, tendo votado pela condenação dos políticos baianos. Já em relação aos outros dois réus, disse que não havia provas de que eles sabiam que estavam ajudando os irmãos Vieira Lima a cometer crimes.

No entanto, se dois dos quatro ministro da 2ª Turma do STF votarem pela condenação, Geddel e Lúcio podem ser condenados a até 20 anos de prisão, ao invés de 80, como pediu o MPF. Isso porque, Fachin considerou que não houve vários crimes de lavagem de dinheiro, mas apenas um, cometido reiteradamente.

O entendimento de Fachin, rejeitando o concurso material de crimes, permite, também, que Geddel Vieira Lima deixe o regime fechado em menos tempo, uma vez que já está preso na Papuda, em Brasília, há mais de dois anos. Este período cumprido será descontado da pena total e a progressão de regimes é pedida quando se cumpre um sexto da pena aplicada.

Na próxima terça-feira (8) vão votar os ministros Celso de Mello, Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski e Cármen Lúcia, que compõem a 2ª Turma do Supremo Tribunal Federal.

Comentarios