SAMU: 192 | Bombeiros: 193 | Defesa Civil: 199 | Polícia Militar: 190 

  • Agência Nacional de Saúde 0800-611997
  • Alô-Trabalho 0800-2850101
  • ANEEL 0800-7272010
  • Ministério dos Transportes 0800-610300
  • Banco Central 0800-992345
  • Caixa Econômica Federal 0800-5740101
  • Central Antiveneno 0800-2844343
  • Central de Transplantes 0800-8832323
  • Central Doação de Órgaos (71) 3356-6776
  • Central Estadual de Regulação Médica 0800-714000
  • Coelba - Ligue Luz 0800-710800
  • Correios 0800-5700100
  • Disque-Meio Ambiente 0800-711400
  • Embasa Saneamento 0800-555195
  • Ministério da Educação 0800-616161
  • Fome Zero 0800-7072003
  • Hemoba (71) 3357-0900
  • Ibama 0800-618080
  • INSS 0800-780191
  • Ministério da Fazenda 0800-7021111
  • Pró-Menor 0800-713020
  • Receitafone 0300-780300
  • SAC 0800-715353
  • SOS-Tortura 0800-7075551
  • Serviço Salvador Atende 156
  • TeleHansen 0800-262001
  • Aeroporto Internacional de Salvador (71) 3204-1010 / 1030

Mundo Partido Socialista vence e amplia poder em Portugal, apontam projeções

07 de outubro de 2019, às 06:33

O Partido Socialista, de centro-esquerda, deve se manter no poder em Portugal, e ganhar mais assentos após as eleições gerais realizadas deste domingo (6), ainda que sem alcançar maioria no Parlamento. De acordo com as pesquisas, o partido do premiê António Costa deve vencer o pleito com uma margem entre 33.3% a 40% os votos —o que daria ao partido mais assentos do que em 2015, mas com a necessidade de buscar alianças. As informações são do jornal Folha de S. Paulo.

Quando os socialistas assumiram o poder, em 2015, Costa obteve apoio parlamentar do Bloco de Esquerda e do Partido Comunista —a depender do resultado final, o Partido Socialista terá de renovar o pacto durante um novo governo.

Depois de quatro anos, porém, a coalização formada entre governo e outros partidos se desgastou. A ultraesquerda vem pedindo mais investimento público e acusa Costa de ter se aproximado da direita.

O premiê foi impulsionado nas urnas pela recuperação econômica de Portugal e pelo baixo desemprego do país —ainda que um escândalo envolvendo um ex-ministro da Defesa tenha abalado as intenções de voto nos socialista.

Comentarios