SAMU: 192 | Bombeiros: 193 | Defesa Civil: 199 | Polícia Militar: 190 

  • Agência Nacional de Saúde 0800-611997
  • Alô-Trabalho 0800-2850101
  • ANEEL 0800-7272010
  • Ministério dos Transportes 0800-610300
  • Banco Central 0800-992345
  • Caixa Econômica Federal 0800-5740101
  • Central Antiveneno 0800-2844343
  • Central de Transplantes 0800-8832323
  • Central Doação de Órgaos (71) 3356-6776
  • Central Estadual de Regulação Médica 0800-714000
  • Coelba - Ligue Luz 0800-710800
  • Correios 0800-5700100
  • Disque-Meio Ambiente 0800-711400
  • Embasa Saneamento 0800-555195
  • Ministério da Educação 0800-616161
  • Fome Zero 0800-7072003
  • Hemoba (71) 3357-0900
  • Ibama 0800-618080
  • INSS 0800-780191
  • Ministério da Fazenda 0800-7021111
  • Pró-Menor 0800-713020
  • Receitafone 0300-780300
  • SAC 0800-715353
  • SOS-Tortura 0800-7075551
  • Serviço Salvador Atende 156
  • TeleHansen 0800-262001
  • Aeroporto Internacional de Salvador (71) 3204-1010 / 1030

Entretenimento Mateus Solano processa empresa por calote de R$ 80 mil

04 de outubro de 2019, às 08:02

Mateus Solano vive um dilema na vida profissional. Apesar do sucesso do espetáculo teatral Selfie, o artista foi impedido de colher os lucros da peça e alega ter sofrido um calote da empresa Compre Ingressos.

Na última terça-feira (1), o ator esteve no Fórum da Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, para a primeira audiência contra a empresa, onde ele cobra R$ 80 mil de um suposto calote dado por eles

Em contato com o Blog do Leo Dias, o advogado de Solano afirma não entender como a empresa continua funcionando mesmo com a dívida gigante que tem não só com ele, mas também com outros artistas como Christiane Torloni, Monica Martelli e Herson Capri.

“Essa empresa está dando um um golpe duro no teatro, que tem sofrido muito nesta crise. O mais estranho é que o site continua ativo, recebendo valores de ingresso, mas não paga a sua dívida, que só faz crescer”, afirmou.

O caso de Mateus Solano é referente as apresentações realizadas pelo artista em Goiânia e Aracaju. Segundo o advogado, a Compre Ingressos não teriam repassado os valores dos tickets vendidos para essas apresentações.

Comentarios