SAMU: 192 | Bombeiros: 193 | Defesa Civil: 199 | Polícia Militar: 190 

  • Agência Nacional de Saúde 0800-611997
  • Alô-Trabalho 0800-2850101
  • ANEEL 0800-7272010
  • Ministério dos Transportes 0800-610300
  • Banco Central 0800-992345
  • Caixa Econômica Federal 0800-5740101
  • Central Antiveneno 0800-2844343
  • Central de Transplantes 0800-8832323
  • Central Doação de Órgaos (71) 3356-6776
  • Central Estadual de Regulação Médica 0800-714000
  • Coelba - Ligue Luz 0800-710800
  • Correios 0800-5700100
  • Disque-Meio Ambiente 0800-711400
  • Embasa Saneamento 0800-555195
  • Ministério da Educação 0800-616161
  • Fome Zero 0800-7072003
  • Hemoba (71) 3357-0900
  • Ibama 0800-618080
  • INSS 0800-780191
  • Ministério da Fazenda 0800-7021111
  • Pró-Menor 0800-713020
  • Receitafone 0300-780300
  • SAC 0800-715353
  • SOS-Tortura 0800-7075551
  • Serviço Salvador Atende 156
  • TeleHansen 0800-262001
  • Aeroporto Internacional de Salvador (71) 3204-1010 / 1030

Política APLB define em assembleia se entra em greve nesta quarta-feira; categoria só conversa com ACM Neto

02 de outubro de 2019, às 07:17

A APLB Sindicato, que representa os professores municipais, orientará os servidores a aprovarem que as negociações salariais deste ano sejam realizadas somente com o prefeito ACM Neto (DEM). A categoria se reúne em assembleia nesta quarta-feira (2), às 8h, no Ginásio dos Bancários para analisar a possibilidade de uma greve.

“Negociação agora só com o prefeito. Cansamos de buscar as negociações com os secretários de Gestão e de Educação e não termos sucesso. Portanto, vamos levar amanhã para assembleia que negociação agora só com o prefeito. Desde março entregamos a pauta de negociações e, até agora, não deram retorno”, reclamou a diretora da APLB, Elza Melo. Segundo ela, o presidente da Câmara de Salvador, Geraldo Júnior, deve intermediar a negociação com Neto.

Nesta terça-feira (1), a APLB se reuniu com o secretário municipal de Educação, Bruno Barral, mas não houve avanço em relação ao reajuste salarial dos professores municipais. A categoria pede um aumento de R$ 9,43%.

No encontro com Barral também foi discutido o corte em salários de professores que não teriam preenchido formulários sobre a situação de seus alunos. De acordo com a APLB, o corte de 15% penaliza ainda mais os profissionais e não há previsão legal para essa medida.

“Cortaram sem critério, de forma indiscriminada, são profissionais que estão de licença. Solicitamos ao secretário que haja a devolução imediata dos salários em folha suplementar. Ele responderá até amanhã de manhã”, adiantou a diretora.

Comentarios